Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta nova edição do Clube de Colecionadores

Lançamento reúne obras em tiragens limitadas de artistas como Cinthia Marcelle, Ivan Grilo e Débora Bolsoni, e presta homenagem ao fotógrafo Mário Cravo Neto. Apoio do público ao Clube ajuda na manutenção do Museu e expansão de seu acervo.


Menina de branco, festa do Bonfim, Salvador, 1994, Mario Cravo Neto -
obra comemorativa 20 anos do clube

Fomentar o colecionismo, incentivar a produção artística do Brasil e contribuir para ampliar e fortalecer o acervo de obras Museu de Arte Moderna de São Paulo. Esse é o cerne do Clube de Colecionadores do MAM, programa que ajuda, por meio do apoio de associados, no desenvolvimento da instituição. O lançamento de 2020 reúne obras inéditas de 11 artistas, são fotografias e gravuras comissionadas pelo Museu e produzidas em tiragens limitadas de 70 exemplares.

avaf, Cinthia Marcelle, Daniel Senise, Ivan Grilo e Lia Chaia são os artistas convidados por Eder Chiodetto, curador do Clube de Fotografia, para compor a nova edição. E, no ano em que o Clube completa 20 anos, o Museu presta homenagem a Mário Cravo Neto (1947-2009), um dos mais renomados fotógrafos brasileiros, com produção excepcional da obra Menina de branco, festa do Bonfim, Salvador (1994). Sob curadoria de Felipe Scovino, o Clube de Gravura reúne trabalhos de Ascânio MMM, Cadu, Débora Bolsoni, Marcelo Silveira e Vera Chaves Barcellos.

Com mais de duas décadas de existência, o programa estreita os vínculos entre público, Museu e artistas. O apoio do público reflete na manutenção e atividades do MAM São Paulo e na expansão do acervo da instituição.

A associação a cada Clube - Fotografia ou Gravura - é anual e pode ser feita por meio do site do Museu . Os sócios podem adquirir de três a cinco obras comissionadas de um único Clube e têm benefícios que vão desde catálogos das exposições e entrada gratuita no Museu, até visita aos ateliês e participação em encontros com curadores e especialistas em artes visuais.

"O Clube de Colecionadores é fruto de uma parceria profícua entre o Museu, que organiza as ações junto aos curadores, os artistas, que doam suas obras, e os associados que apoiam a produção artística e a existência do próprio museu. O projeto se faz ainda mais fundamental dado o momento que atravessamos, com suspensão das atividades físicas dos equipamentos culturais por conta da pandemia do Covid-19", diz Carla Lozardo, coordenadora do Clube de Colecionadores.

#MAMonline - O espaço físico do MAM São Paulo está fechado em função da pandemia do Covid-19, mas o museu se mantém presente no dia a dia do público por meio de uma intensa programação online. O #MAMonline traz ações artísticas, culturais e educativas que convidam a refletir, pesquisar e inspirar.

A programação diária é destinada ao público de todas as idades e traz propostas diversas. No site do Museu, é possível visitar mais de dez mostras emblemáticas exibidas nos últimos anos na instituição por meio de tour virtual, produzido pela 3D Explora, como também acessar as narrativas do Google Arts&Culture. Entre as exposições, estão Sinais/Signals, com monotipias e objetos gráficos de Mira Schendel; Ismael Nery: feminino e masculino, que apresenta nus, retratos, autorretratos e obras surrealistas criadas por Nery; e MAM 70: MAM e MAC USP, coletiva que reúne obras do período inicial do Museu, entre 1949 e 1963, até trabalhos que entraram para o acervo após essa data e integram coleções do MAM e do MAC USP.

Nas redes sociais, o Museu compartilha sua trajetória e backstage por meio das hashtags #HistóriasdoAcervo e #tbt (do inglês "throw back Thursday"), às quintas-feiras - nesta última, a estreia foi uma miniaula do curador Felipe Chaimovich sobre o impressionismo e o Brasil, parte da exposição homônima que ocorreu em 2017. Uma proposta semelhante, mas com foco em criadores, é feita por meio de #ArtistaDaSemana. Toda quarta-feira é publicado conteúdo sobre artistas cuja trajetória tenha se entrelaçado à do MAM. A interação entre o público e o Museu também acontece por meio do #MAMquiz, que traz temas e perguntas diversas sobre a instituição e sua programação no Instagram Stories.

Às terças-feiras, às 18h, o Museu promove lives em libras no Instagram sobre mediação cultural, educação, culturas e artes surdas na instituição. As conversas são comandadas por Leonardo Castilho, educador surdo do MAM, e apresentadas simultaneamente em seu perfil do Instagram (http://www.instagram.com/leocastilho) e na rede social do Museu (http://www.instagram.com/mamoficial). A live acontece em Libras, acompanhada pela voz de uma tradutora intérprete de Língua Brasileira de Sinais.

Oficinas, contação de histórias e brincadeiras ficam a cargo do MAM Educativo. Às quartas e quintas, a equipe do Educativo propõe atividades para pais e crianças participarem sem sair de casa, entre elas, ações ao vivo, no Instagram Live do museu. Às sextas, o # MAMParaOuvir compartilha com o público as playlists do perfil do museu no Spotify. A primeira, intitulada Verão Moderno Vol.1, foi produzida pelo Clube Lambada e reúne músicas brasileiras, contemporâneas e jovens clássicos.

Também sãopublicados conteúdos pela narrativa #HistóriasDoMAM, com depoimentos de pessoas que fazem parte da história da instituição. Sugestões de leituras a partir das publicações e catálogos disponíveis no site do Museu são oferecidas aos domingos por meio de postagens com a hashtag #DicaDeLeitura. Séries de conversas entre curadores e artistas acontecem na #LiveNoAteliê, que acontece aos sábados. O MAM também participa de debates ao vivo com diversos parceiros, acompanhe as redes sociais para não ficar de fora.

A programação é compilada semanalmente na newsletter #MAMonline, disponível para cadastro no site do museu, e conta ainda com prévias de conteúdo sobre as exposições que estão por vir.

Sobre o MAM São Paulo

Fundado em 1948, o Museu de Arte Moderna de São Paulo é uma sociedade civil de interesse público, sem fins lucrativos. Sua coleção conta com mais de 5 mil obras produzidas pelos mais representativos nomes da arte moderna e contemporânea, principalmente brasileira. Tanto o acervo quanto as exposições privilegiam o experimentalismo, abrindo-se para a pluralidade da produção artística mundial e a diversidade de interesses das sociedades contemporâneas.

O Museu mantém uma ampla grade de atividades que inclui cursos, seminários, palestras, performances, espetáculos musicais, sessões de vídeo e práticas artísticas. O conteúdo das exposições e das atividades é acessível a todos os públicos por meio de visitas mediadas em libras, audiodescrição das obras e videoguias em Libras. O acervo de livros, periódicos, documentos e material audiovisual é formado por 65 mil títulos. O intercâmbio com bibliotecas de museus de vários países mantém o acervo vivo.

Localizado no Parque Ibirapuera, a mais importante área verde de São Paulo, o edifício do MAM foi adaptado por Lina Bo Bardi e conta, além das salas de exposição, com ateliê, biblioteca, auditório, restaurante e uma loja onde os visitantes encontram produtos de design, livros de arte e uma linha de objetos com a marca MAM. Os espaços do Museu se integram visualmente ao Jardim de Esculturas, projetado por Roberto Burle Marx para abrigar obras da coleção. Todas as dependências são acessíveis a visitantes com necessidades especiais.

http://www.mam.org.br/MAMoficial
http://www.instagram.com/MAMoficial
http://www.twitter.com/MAMoficial
http://www.facebook.com/MAMoficial
http://www.youtube.com/MAMoficial

Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta nova edição do Clube de Colecionadores Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta nova edição do Clube de Colecionadores Reviewed by Eryka on maio 14, 2020 Rating: 5

Nenhum comentário