Semana Por Ovadia Saadia

Noite do bem em São Paulo ao lado do @jdoriajr, do Presidente @jairmessiasbolsonaro e da Primeira Dama, Michelle Bolsonaro, no evento beneficente para arrecadar recursos para a UNIBES, entidade que desenvolve um trabalho louvável no amparo e acolhimento de pessoas em vulnerabilidade, promovendo uma verdadeira transformação na vida de quem mais precisa.🙏
Escoltado pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o presidente Jair Bolsonaro visitou nesta segunda-feira, 1, o Muro das Lamentações, sob forte chuva de granizo e deixou em sua frestas um bilhete escrito “Deus, olhe pelo Brasil”. Esta é a primeira vez que o premiê israelense acompanha um chefe de Estado em visita oficial ao local sagrado para os judeus, na porção oriental de Jerusalém. A soberania dessa área é reivindicada pelos palestinos.
Esse compromisso foi interpretado como uma tentativa de favorecer a reeleição de Benjamin Netanyahu. Governante há 10 anos de Israel, o premiê concorrerá a mais um mandato no cargo no próximo dia 9, quando serão realizadas as eleições parlamentares no país.
Com cautela para não desagradar ainda mais aos eleitores muçulmanos, no caso do primeiro-ministro, e aos países árabes, no caso do presidente brasileiro, o programa previu uma visita de ambos à Mesquita Sharey Tshuva, dentro de túneis do complexo do Muro das Lamentações. Netanyahu e Bolsonaro assinaram o livro de visitantes da mesquita.
Os túneis são os resquícios das construções feitas ao redor do templo judaico antes de sua destruição, no século I.  Anos depois da destruição, os árabes limparam e secaram o local, onde construíram esta que é a mesquita mais próxima do antigo templo judaico.
O Muro das Lamentações é o segundo local mais sagrado para o judaísmo. A parede, formada por pedras de calcário, foi o que restou do chamado Segundo Templo de Jerusalém, construído no lugar do Templo de Salomão. Um rabino deu as explicações ao presidente brasileiro sobre o significado da ruína.
CIP, Shalom e Beth El comemoram sucesso da pré-estréia beneficente do filme  Alma Imoral
Rabino Nilton Bonder participou do evento que lotou três salas do Cinemark no Shopping Higienópolis  
A Congregação Israelita Paulista  (CIP),  a  Comunidade Shalom e o Beth-El comemoraram o sucesso da pré-estréia beneficente do  filme “Alma Imoral”.  A obra, com direção de Silvio Tendler, é baseada no livro do rabino Nilton Bonder, que esteve presente ao evento.
Bonder, personagem condutor, parte numa jornada na busca da Alma Imoral pelo Brasil, EUA e Israel, entrevistando destacados transgressores do pensamento e da atualidade em sua própria “tribo”. Tratando o particular como modelo para o universal, como o fez no sucesso da obra teatral, Bonder parte de seu próprio mundo e tribo para abordar adultério, ateísmo, homossexualidade, traição, rompimento e inovação na diversidade da política, religião, arte e ciência. As entrevistas são entremeadas por coreografias da Cia de Danças Debora Colker.

Passagens e mitos bíblicos revelam a arte de transitar no território da interdição e da transgressão e trazem uma nova reflexão sobre o que é lícito e apropriado, sobre o tabu e sua quebra. Um filme sobre a importância da transgressão para impulsionar a vida.
Após a exibição do filme, que lotou três salas do Cinemark, o rabino Nilton Bonder, juntamente com os rabinos Michel Schlesinger e Adrian Gottfried, participou de um debate com o público.
Alma Imoral” é um projeto instigador, poético e filosófico que mostra que  a transgressão é o elemento capaz de renovar a vida, de impulsioná-la a um novo horizonte de possibilidades”, destacou Bonder


A pré-estréia ganhou destaque na edição desta quarta-feira, 03 de abril, no Bom Dia SP. Confira em: https://globoplay.globo.com/v/7508246/.
Semana Por Ovadia Saadia Semana Por Ovadia Saadia Reviewed by Eryka on abril 11, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário